Veja o que dizem os principais Teólogos sobre este tema.

Caos na Síria é cumprimento de profecias? Isaías 17:1-3 é primordial: “Advertência contra Damasco: ‘Damasco deixará de ser cidade; e se tornará um monte de ruínas. Suas cidades serão abandonadas; serão entregues aos rebanhos que ali se deitarão, e ninguém os espantará’”.


GUERRAS: ‘Damasco deixará de ser cidade; e se tornará um monte de ruínas. Suas cidades serão abandonadas; serão entregues aos rebanhos que ali se deitarão, e ninguém os espantará’”.Isaías 17.1-3

O conflito na Síria e a decisão dos Estados Unidos de atacar uma base militar no interior do país está despertando um intenso debate teológico sobre a ligação que estes acontecimentos podem ter com a Bíblia Sagrada.

Enquanto alguns encaram a crise atual como uma evidência das profecias bíblicas, outros condenam essa conexão como irresponsável.

Um dos defensores dos cumprimentos bíblicos é o autor americano Joel Rosenberg, que aponta a importância de trechos bíblicos como Isaías 17 e Jeremias 49, que prevêem a destruição de Damasco, capital da Síria.

“Estamos vendo o desfecho de Damasco… Será esse o prelúdio para o cumprimento dessas profecias? Nós não sabemos, mas Damasco é a cidade mais antiga a ser habitada continuamente no planeta”, disse Rosenberg.

Desde o início da guerra civil que está em curso na Síria desde 2011, questionamentos sobre as profecias bíblicas começaram a surgir no meio evangélico.

“O profeta Ezequiel escreveu há 2.500 anos que, nos últimos dias da história, a Rússia e o Irã vão formar uma aliança militar para atacar Israel a partir do norte”, lembra Rosenberg. “Os estudiosos da Bíblia se referem a este conflito escatológico, descrito nos capítulos 38 e 39 do livro de Ezequiel, como a Guerra de Gogue e Magogue”.

Para aqueles que acreditam que a Síria irá desempenhar um papel fundamental no cenário do fim dos tempos, Rosenberg observa que Isaías 17:1-3 é primordial:

“Advertência contra Damasco: ‘Damasco deixará de ser cidade; e se tornará um monte de ruínas. Suas cidades serão abandonadas; serão entregues aos rebanhos que ali se deitarão, e ninguém os espantará’”.

Rosenberg defende que estas profecias ainda não foram cumpridas. “Damasco é uma das mais antigas cidades continuamente habitadas do planeta. Ela foi atacada, sitiada e conquistada, mas nunca foi completamente destruída e desabitada”, argumenta.

Caos na Síria é cumprimento de profecias? Ou profecia já cumprida?

Embora a profecia bíblica declare que a cidade “se tornará um monte de ruínas”, alguns estudiosos afirmam que Damasco já foi destruída e que este versículo diz respeito a um ataque realizado por assírios em em 732 a.C.

Essa teoria é defendida por Hank Hanegraaff, apresentador do programa “Bible Answer Man”, que esclarece temas da Bíblia diariamente nos Estados Unidos e Canadá.

“Eles estão se baseando nas passagens de Isaías para explicar o que está acontecendo atualmente na Síria. Este é um exemplo clássico da imprensa da escatologia promovida por esses pastores, que parecem não conhecer a palavra de Deus e querer promover o sensacionalismo”, disse ele.

Hanegraaff defende que a profecia de Isaías 17 já foi cumprida há milhares de anos. “Se você olhar para o que a Bíblia realmente diz, é muito claro que o cumprimento da profecia também é relatado pelo texto bíblico. Se você olhar para Isaías 7, há uma permutação disso, e você poderá ver seu cumprimento no capítulo seguinte, em Isaías 8”.

Evidências históricas

A Dra. Candida Moss, professora de Novo Testamento e Cristianismo Primitivo na Universidade de Notre Dame, também observa que Damasco foi uma cidade repetidamente conquistada.

“Isaías viveu e escreveu no oitavo século antes de Cristo e estudiosos acreditam que a profecia original sobre a conquista de Damasco foi cumprida pelos assírios, em 732 a.C. Mas essa não foi a única vez que Damasco passou por conflitos”, disse Moss.

A especialista lembra que Damasco também foi conquistada por outros governantes, incluindo o rei babilônico Nabucodonosor e Alexandre, o Grande. Ela também explica que, no século 7 a.C., Damasco estava em meio a um cerco muçulmano liderado pelo general Khalid ibn al-Walid. Mais tarde, na virada do século 15, os exércitos turco-mongóis de Tamerlão a conquistaram, matando toda a sua população — que tiveram suas cabeças cortadas e incluídas numa torre construída por eles.

fonte :(Jm)

 

Comentem e deixem suas opiniões. Compartilhem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *